A Dualidade da Coisa do Sul

Os telespectadores da TV Record devem ter se deparado com citações recentes na programação da emissora à TV Guaíba de Porto Alegre e pensado: o que diabos é isso. Para terem uma idéia a ZeroZen, natural da capital gaúcha, em seus dez anos de existência só citou a emissora uma vez, numa piada em 2001. Na qual enunciava: TV2 Guaíba - um canal oxigênio (está no ar, mas ninguém vê). Piada que obviamente ninguém que não fosse de Porto Alegre entenderia. Mas de lá para cá a coisa não mudou muito: continuava no ar e ninguém via. Eis que a Rede Record resolveu comprar a TV Guaíba e levar de quebra o jornal Correio do Povo dando fim a uma das mortes mais lentas do jornalismo local, quiçá nacional.

Vamos tentar explicar como tudo começou. A TV Guaíba foi uma emissora de televisão criada em 10 de março de 1979 pelo Grupo Caldas Júnior, dono do jornal Correio do Povo. Era uma emissora totalmente regional idealizada para concorrer com a RBS, na época TV Gaúcha. A RBS usava a televisão para promover o jornal Zero-Hora e o pessoal da Caldas Júnior achou que poderia fazer o mesmo com a TV Guaíba/Correio do Povo. O pequeno detalhe que eles se esqueceram nessa história é que enquanto a RBS retransmitia a programação da TV Globo, a TV Guaíba seria uma emissora regional e regionalista. Ao ponto que em seus 28 anos de existência seu alcance sequer saiu da região metropolitana de Porto Alegre. Assim grande parte do interior do Rio Grande do Sul nunca teve oportunidade de assistir a TV Guaíba. Não perdeu grande coisa, mas dá uma idéia da estultice das pessoas, digo criaturas, por trás da emissora.

A TV Guaíba foi desde sua fundação uma máquina de queimar dinheiro vazando óleo, e causou não só a derrocada do grupo Caldas Júnior como levou consigo o jornal Correio do Povo. O pessoal da Record talvez não tenha idéia de onde está se metendo, pois a tarefa de salvar o Titanic não é exatamente algo que desperte muitas esperanças de sucesso. Mas para uma emissora que já peitou a Globo, isso até parece ser café pequeno. Mas acreditem não adianta ter contato direto com o homem lá de cima quando se investe num mau negócio.

Para tornar as coisas mais divertidas a TV Pampa antiga retransmissora da Record, agora transmite parte da programação dissidente da TV Guaíba, aquela que não serve para os elevados padrões da Rede Record e a programação da Rede TV! Tipo de situação sem vencedores.

No fundo a TV Guaíba era mais um exemplo dualidade da coisa do Sul. Aqui ou se é PT ou se é anti-PT. Ou se é colorado, ou é anti-gremista. Ou se é gremista, ou é anti-colorado. Não tem meio termo e não peça por explicações.

Ter duas televisões locais em tese não seria um problema, ou mesmo ter duas TVs locais usadas para fazer propaganda para os jornais dos grupos que representam. O problema é que ao longo da década de 80 tanto a RBS(Globo), SBT, Band e mais tarde a TV Pampa abriram espaços em suas programações para produção local. Mas na idéia do pessoal da TV Guaíba, essas emissoras não eram regionais o suficiente. Era preciso beber chimarrão e não passar a cuia. Essas coisas... Por isso não havia necessidade de mudar a programação da emissora. Não é por acaso que acabou como acabou.

Sem falar que a tal dualidade da coisa do sul já vinha abalada desde 2001 pela criação do jornal "O Sul", da Rede Pampa de Comunicação, que usa a TV Pampa para promover o seu jornal. Estranho que todos eles usam canais de tvs para promover jornais. E depois não sabem o porquê de ninguém ler mais seus periódicos...

Da Reportagem Local

P.S.: 1 O zeronauta incauto deve estar se perguntando o que os telespectadores da Rede Record têm em comum com os leitores da ZeroZen. Em princípio nada. Mas qualquer um que já assistiu a programação da madrugada da Record sabe que não existe fonte melhor de ZZ-files. E o mais importante: eles realmente acreditam no que estão dizendo.

P.S: 2 Guaíba também é uma cidade localizada há alguns quilômetros de Porto Alegre e nunca foi citada na ZeroZen, nem mesmo numa piada de forma gratuita e deve continuar assim...

P.S: 3 Mas alguém pode argumentar: e o Juventude? Não quebraria a tal dualidade da coisa do sul. Sim. Mas lembre-se o Juventude é um time com título(s) mas sem torcida. Sem contar que a crônica esportiva gaúcha torce descaradamente para que o Juventude caia para segunda divisão, pois assim não precisaria abrir espaço em seus programas para um time de fora da capital.