Marisa Monte - Universo ao meu redor

Depois que a tragédia musical chamada Os Tribalistas foi lançada, a crítica ficou à espera do próximo disco de Marisa Monte. O motivo era simples. Todo queriam saber a cantora teria finalmente sucumbido à loucura. Ou talvez, aquilo não passasse de uma alucinação coletiva.

Bem, Marisa Monte resolveu lançar nada menos que dois discos ao mesmo tempo: Infinito Particular e Universo Ao Meu Redor. São dois álbuns completamente diferentes. Por isso, a ZeroZen resolveu fazer duas críticas pelo preço de uma.

Antes de mais nada é preciso dizer que Universo Ao Meu Redor é o disco mais corajoso de Marisa Monte. Sério. Não deu certo. Não funcionou mesmo. Mas não se pode negar que a cantora fez pelo menos um esforço para sair da mesmice.

Na verdade, Universo ao meu redor é um disco de samba por um cantora que não sabe cantar sabe cantar samba. E isso fica claro. Na verdade, como a ZeroZen já disse antes Marisa é a falsa baiana (que não bole/ não geme nem nada/ não sabe deixar a mocidade louca).

O pior de tudo é que Marisa Monte teve mesmo uma grande idéia. Afinal de contas qual a cantora brasileira da atualidade que teria coragem de cantar samba? Pois é, quem diria que fazer samba no brasil parece ser o máximo em ousadia. De qualquer maneira, ao invés de se socorrer, por exemplo, de toda a velha guarda da portela e gravar músicas antológicas, Marisa optou ppor chamar seu indefectíveis parceiros dos tribalistas.

Não podia dar certo. E não deu. Ambos não são sambistas, não têm a malandragem do morro. Para piorar, Marisa Monte tenta o tempo todo emular o suíngue do samba carioca. O resultado é desastroso. Às vezes, parece que ela fez o disco para impressionar a velha guarda da Portela. Como se sabe, Marisa foi recusada na velha guarda por ser considerada velha demais...

Porém, três músicas merecem destaque: Perdoa, Meu Amor (Casemiro Vieira), Para mais Ninguém (Paulinho da Viola), Pétalas Esquecidas (D. Yvonne Lara, Teresa Batista). Todas, claro, feitas por gente que entende do riscado. Ainda vale destacar Três Letrinhas (Moraes Moreira/Galvão), canção simpática e com um belo arranjo.

Apesar de Marisa Monte se parecer com uma Clara Nunes chapada de prozac, Universo Ao Meu Redor, verdade seja dita, é menos ruim do que Infinito Particular.

J. Tavares

Faixas:
1. Universo ao Meu Redor
2. O Bonde do Dom
3. Meu Canário
4. Três Letrinhas
5. Quatro Paredes
6. Perdoa, Meu Amor
7. Cantinho Escondido
8. Statue of Liberty
9. A Alma e a Matéria
10. Lágrimas e Tormentos
11. Satisfeito
12. Para mais Ninguém
13. Vai Saber?
14. Pétalas Esquecidas