Rolling Stones - Rio de Janeiro

A tacanha crítica musical brasileira costuma afirmar que os Rolling Stones são a maior banda de rock do mundo. Bem, o certo seria dizer foram. Para quem não sabe a banda acabou em 1972 quando lançou o álbum duplo Exile on Main Street. Depois, tudo que o grupo fez é irrelevante. Cabe no máximo em uma mídia. Talvez os fãs mais fiéis também vejam qualidades em Some Girls de 1978, que é uma exceção no meio da rotina de mediocridade musical que tomou conta dos Stones.

Mesmo assim, a ZeroZen foi até o Rio de Janeiro para conferir a apresentação dos Rolling Stones na praia de Copacabana. O primeiro fato a ser notado é que o show certamente mudou o conceito de multidão de muita gente. Afinal de contas foram 1 milhão e duzentas mil pessoas para assistir a Mick Jagger, Keith Richards e companhia.

Claro que a televisão não mostrou o que acontece quando tanta gente se reúne em um lugar no Rio de Janeiro. Provavelmente todos os crimes tipificados no código penal aconteceram naquela noite. De acordo com a polícia militar foram registradas 230 ocorrências, furtos e porte de drogas ilegais e três pessoas esfaqueadas (sem gravidade), 688 atendimentos médicos, a maioria por excesso de bebidas, drogas e sol.

Além disso, houve um início de parto, enfarte, traumatismo craniano causado por queda de árvore e edema pulmonar. Quarenta e quatro foram transferidas para hospitais, e aconteceram 29 salvamentos no mar, pessoas que entraram na água e não conseguiram sair sozinhas. “Foi um dos eventos mais tranqüilos que tivemos”, disse o chefe do Estado Maior dos Bombeiros, o coronel Marcos Silva. Realmente nada como uma noite de calmaria no Rio de Janeiro...

Quanto ao show a abertura foi do AfroReggae. Nada a comentar a não ser que se existe um lugar onde uma banda de reggae não deveria estar era justamente esse. Depois vieram os Titãs, outro grupo que está morto e enterrado, mas se recusa a deitar no caixão. Finalmente, às quinze para as dez da noite os Rolling Stones subiram no palco.

A banda abriu os trabalhos com Jumpin´ Jack Flash. De cara, se percebe que Mick Jagger é um cantor medíocre com uma boa presença de palco. Já Keith Richards parece com um daqueles times de futebol que joga só no nome da camiseta. Ele investe muito mais na figura de guitar man do propriamente em tocar o seu instrumento. De fato, Ron Wood faz todo o trabalho pesado.

Verdade seja dita, a união, a coesão dos Stones como banda de rock é fantástica. Claro que isso é fácil de conseguir depois que se passam 40 anos tocando a mesma coisa juntos. O repertório do show teve espaço para vários clássicos com destaque para Tumbling Dice.

O último trabalho, “A Bigger Bang”, rendeu três músicas. “Oh No Not You Again”, “Rain Fall Down”, “Rough Justice” e “This Place Is Empty”. Nada de muito relevante. Curiosamente, a banda emendou “Wild Horses” e “Midnight Rambler” e o público não pareceu muito entusiasmado.

De repente, os Stones surpreenderam e cantaram“ The Night Time Is The Right Time”, uma homenagem a Ray Charles. Keith Richards fez sua parte solo no show e tocou This Place Is Empty e Happy. Então o palco começou a se mover. Finalmente uma chance para quem não quis ficar no gargarejo.

O show cresceu quando Mick Jagger voltou ao palco com Miss You. Sobre o palco móvel, os Rolling Stones tocaram Rough Justice, Get Off Of My Cloud e Honky Tonk Women. Finalmente, houve o primeiro momento de insanidade coletiva com Sympathy Of The Devil.

Na seqüência Start Me Up, com direito a um solo diferente da versão original feito por Ron Wood e Brown Sugar. Para fechar ainda teve You Can´t Always Get What You Want e a indefectível (I Can´t Get No) Satisfaction. Sem dúvida, um final de show digno da carreira dos Stones.

Cabe então a pergunta os Rolling Stones são mesmo a maior banda de rock do mundo ou são apenas um bando de velhinhos faturando uma grana em cima dos neófitos sedentos por rock'n'roll? A resposta não é tão simples. O fato é que existe um motivo para o grupo de Mick Jagger e Keith Richards continuar a fazer sucesso, a imensa ruindade do que veio depois.

Ou seja, não há no rock atual nada que faça frente aos sucessos dos Stones. Por isso, a longevidade do grupo. Como há mais de trinta anos eles não fazem nada de relevante mas continuam firmes nas paradas de sucesso, isto só pode significar que os Rolling Stones não morreram, mas o rock sim. Sem a natural renovação, a juventude acaba sendo empurrada para aberrações como o funk, o pagode ou a música eletrônica. Por isso, enquanto a nova salvação do rock não surge, a conta bancária dos Stones agradece.

Da reportagem local

Set List
1. Jumpin´ Jack Flash
2. It´s Only Rock And Roll
3. You Got Me Rocking
4. Tumblin Dice
5. Oh No Not You Again
6. Wild Horses
7. Rain Fall Down
8. Midnight Rambler
9. The Night Time Is The Right Time
10. This Place Is Empty
11. Happy
12. Miss You
13. Rough Justice
14. Get Off Of My Cloud
15. Honky Tonk Women
16. Sympathy For The Devil
17. Start Me Up
18. Brown Sugar
19. You Can´t Always Get What You Want
20. (I Can´t Get No) Satisfaction