Acústico Roberto Carlos

cdcaparc.jpg (5113 bytes)

Certa vez num país chamado Brasil existia um rei entre aspas, destronado e com cada vez menos súditos. Um belo dia esse "rei" recebeu a visita de um povo estranho e bizarro que vivia numa terra encantada e distante chamada MTV. Esse pessoal trazia uma proposta irrecusável para o ‘rei’: fazer uma apresentação acústica de sua obra na longínqua MTV com toda pompa circunstância que supostamente necessitava. O ‘rei’ que nunca primou pela inteligência aceitou com gratidão. Mas se esqueceu de avisar, por algum motivo qualquer, que na verdade não era dono do seu reino. Este pertencia há vários anos a outro império mais poderoso. O resultado dessa história veremos a seguir...

O Acústico Roberto Carlos nasceu possivelmente cheio de boas intenções. Dá até para imaginar a cena, algum desses executivos de fraldas da MTV pensando alto no seu escritório: existem tantas músicas legais nesses Cds antigos do Rei, por quê não estragá-las colocando novos arranjos acústicos? Certamente isso vai atrair novos fãs para o "rei"! Ele está mesmo precisando...

Pois uma vez recebido o sinal verde do ‘rei’ a MTV criou mil estratagemas para ter o controle total sobre o acústico, principalmente na escolha do repertório. A emissora até mesmo criou uma votação fraudulenta em seu site na Internet para que o repertório do acústico fosse o mais perfeito possível. Entre as músicas mais votadas ficaram, estranhamente, só as mais antigas. Algumas que exigiriam um grande conhecimento da obra do ‘rei’. Coisa que 99% do público da MTV não possui. Mas boa parte desse repertório selecionado, literalmente, a dedo pelo pessoal da MTV foi cortado pelo "rei". Basta dizer que uma das mais músicas mais votadas, a clássica "Quero que vá tudo pro inferno" saiu do set list do acústico, e de qualquer show do cantor, pois Roberto Carlos não canta mais músicas com a palavra "inferno". É por decisões ‘coerentes’ como essa que Roberto foi parar na MTV fazendo um acústico para ninguém ver...

Gravado em maio de 2001 o acústico Roberto Carlos levou quase sete meses para ficar pronto. O álbum foi quase todo refeito em estúdio, dando ao resultado final um aspecto tão espontâneo quanto uma parada militar. O problema é que de todas as pessoas envolvidas nesse projeto ninguém pensou que seria o próprio ‘rei’ Roberto Carlos, e não a Globo ou mesmo a MTV, quem iria melar a coisa toda desde o início. A começar pelos arranjos pasteurizados e finalizando com a interpretação pouco inspirada e preguiçosa de alguns de seus maiores sucessos. Aparentemente foram tantas ‘emoções’ nos últimos anos que não restou nada para colocar em suas músicas.

Para completar com chave de ouro a seqüência de desacertos ainda teve a novela Globo/ MTV a respeito da transmissão do especial. A MTV gravou o especial com o ‘Rei’ com todo o cuidado e esmero gastando bem mais do que costuma fazer numa produções do gênero. Mas se esqueceu de um pequeno detalhe: pedir permissão para TV Globo, que detém os direitos de imagem do cantor desde o início dos anos 80. Vale a pena lembrar que o apresentador Jô Soares quando estava no SBT levou quase dez anos para conseguir entrevistar o ‘rei’. A MTV tentou posar de vítima, mas só conseguiu realçar a incompetência e a falta de noção da emissora para tratar de um caso como esse. Houve de início alguma resistência por parte da MTV— culminando na palhaçada protagonizada por Marcos Mion no VMB 2001— mas bastou a Globo lembrar a Sony, gravadora de Roberto Carlos, o que ela perderia caso o acústico fosse transmitido para que o mesmo virasse lenda. Afinal 5 minutos na Globo deve eqüivaler em termos de audiência um ano de transmissão diária e interrupta na MTV.

Não podendo transmitir o acústico a cada 30 minutos como costuma fazer com todos os especiais da casa, a MTV não conseguiu fazer as vendas do CD decolar entre o seu público cativo, ou melhor passivo. Os dois clipes tirados até agora do acústico,— nos quais não aparece nem a sombra do ‘rei’— Todos Estão Surdos e Eu te amo, Eu te Amo, Eu te amo( este último ainda faz a heresia de trazer a VJ e duble de cineasta Marina Person como protagonista!) de nada ajudaram.

Para tornar as coisas mais interessantes a equipe que gravou o acústico para MTV entrou em conflito com a emissora, pois achava que a MTV deveria transmitir o programa contra a vontade da Globo. Mas a MTV numa atitude covarde, mas muito moderna, resolveu baixar a bola e deixar assim mesmo. Pois parte desse pessoal se mudou com mala e cuia para o SBT, onde produziram a Casa dos Artistas, o maior sucesso da televisão brasileiro dos últimos tempos. Agora quem será que foi o gênio da MTV que deixou esses caras irem embora?

Enfim, depois de muitas ida e vindas restou ao ‘rei’ do começo dessa história voltar para o exílio voluntário em seu reino decadente. E a certeza de que quando outro povo estranho lhe bater à porta com uma proposta ‘irrecusável’, desta vez, ao menos, consulte seus advogados antes de aceitá-la...

Pedro Camacho

P.S.: O CD conta com as participações especiais(?!) de Samuel Rosa, do Skank (É Proibido Fumar), Toni Belotto, dos Titãs (É Preciso Saber Viver). Como se fosse fazer alguma diferença...

Faixas:
1. Além Do Horizonte
2. As Curvas Da Estrada De Santos
3. Parei Na Contramão
4. Detalhes
5. Por Isso Eu Corro Demais
6. É Proibido Fumar
7. Todos Estão Surdos
8. Eu Te Amo Tanto
9. O Grude
10. Eu Te Amo , Te Amo , Te Amo
11. Calhambeque
12. É Preciso Saber Viver
13. Emoções
14. Jesus Cristo